jusbrasil.com.br
19 de Agosto de 2019

Mulher ganha licença remunerada do trabalho para cuidar de seu cachorro

Gisele Santos, Político
Publicado por Gisele Santos
há 2 anos

Que bom seria se todos os tutores de animais de estimação conseguissem liberação do trabalho quando acontecesse uma emergência com seus pets. Quem tem um bichinho em casa sabe bem como pode ser complicado quando eles estão doentes, principalmente quando o caso é mais grave.

Na Itália, país que tem um apreço e um respeito muito grande pelos animais de estimação, uma mulher conseguiu uma licença remunerada do seu trabalho de dois dias para cuidar de seu cachorro doente. O animal, um Setter Inglês de 12 anos, precisou passar por uma cirurgia e necessitou de cuidados especiais.

A folga remunerada foi conseguida através da Justiça e a mulher, que mora sozinha e precisou faltar ao trabalho para levar seu animal para o veterinário e cuidar dele, contou com o apoio jurídico da LAV (Liga Anti-Vivissecção), uma das maiores associações de proteção dos animais da Europa.

Foi alegado que a mulher, que trabalha em uma universidade de Roma, precisou faltar ao trabalho por “motivo pessoal grave ou familiar”.

Para a ação, a mulher teve como argumento uma lei italiana que estabelece uma multa de 10.000 euros, cerca de 37.000 mil reais, e uma pena de até um ano de prisão para quem abandonar o seu animal de estimação ou deixá-lo “em condições de sofrimento”.

Mulher entrou com ação na justiça para conseguir remuneração pelos dias em que precisou faltar ao trabalho e ganhou. (Foto: Reprodução / The New York Times / European Pressphoto Agency)

Para o presidente da Liga Anti-Vivissecção (LAV), Gianluca Felicetti, essa vitória na justiça tem uma enorme importância e pode ajudar tutores na mesma situação, além de ver que um animal de estimação foi visto como “membro da família” pela justiça.

“Trata-se de um avanço significativo para reconhecer que animais que não são criados por motivos de ganho financeiro ou de trabalho são membros efetivos da família”, disse Gianluca Felicetti.

Fonte: portaldodog.com.br

64 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Devia ser assim no Brasil também. Eu mesma não pretendo ter filhos e prefiro os animais.

Tenho sorte pois tenho minha família pra cuidar do meu cachorro, mas vou morar sozinha um dia e vai complicar um pouco. Os animais estão valendo mais a pena do que as pessoas, o amor deles é mais sincero. continuar lendo

Quase todas as meninas da sua geração parecem estar pensando assim, Tayná. Minha esperança é de que com o tempo e o amadurecimento, vocês percebam que o amor de um filho é bem maior e mais precioso do que o de um animal que jamais poderá dar o amparo material, emocional e psíquico de que nós, seres humanos, precisamos.

Saiba que o amor humano também vale muito a pena, no entanto, ele precisa ser cativado e cultivado todos os dias. Além disso, temos de aprender a perdoar e a aceitar as pessoas que amamos com elas são, ainda que elas não nos amem ou não nos amem como nós gostaríamos. Temos de saber que elas erram e que tem o direito de amar quem quiserem e da maneira que puderem. Diferentes dos cães que tem uma dependencia afetiva extrema de seus donos, muito mais pelo instinto de alcateia e de sobrevivência, do que por um genuíno sentimento de amor, amizade ou saudade.

E se eu estiver errado, será o fim da raça humana em três ou quatro gerações..! RSRS Afinal, a civilização sempre precisará de mães, pais e bebês para continuar. continuar lendo

De que amor você fala? Animal ter sentimento de amor, compreensão etc.? Nossa! Com esse seu comentário devo concordar que eles podem fazer a prova do ENEM... Vamos para de demagogias. Concordo com planejamentos familiares. Mas dizer que animais tem AMOS MAIS SINCEROS do que um ser humano. Esse é um pensamento instintivo. continuar lendo

É triste ouvir isso de uma pessoa jovem e futura colega, visto que é estudante de direito. Nunca animais valerão mais que pessoas e nunca terão amor melhor ou mais sincero do que pessoas. Deus disse para amar ao próximo com a ti mesmo e não para amar os animais como a ti mesmo. NO futuro vc terá família e filhos e amará muito eles e receberá muito amor de volta. Que Deus lhe abençoe. continuar lendo

Quanto a ser sincero discordo, tenho 2 cachorros, e os mesmos são mais gratos e companheiros que qualquer ser humano que já conheci, ficam mal quando eu estava doente, então, eles tem mais sentimentos e menos frieza que os seres humanos, meu pastor alemão quando eu era pequeno deu a vida para me salvar de um ladrão.

Nunca vejo cachorro traindo como o ser humano faz constantemente, maquinando formas de obter retorno ou vantagem como o ser humano pensa, mesmo que indiretamente. Se os seres humanos tivessem esse coração que os cachorros tem, isso sim nos faria mais "humanos". continuar lendo

David Moreno, sim, os animais sabem amar e mais que algumas pessoas. Eles não precisam saber fazer ENEM para amar. E eles são melhores só pelo fato de não terem um pensamento escroto como o seu. Você só ama as pessoas? parabéns pra você e seus familiares. Mas tenho certeza que algumas pessoas que VOCÊ tanto ama, te trocaria por algum animal.

Edson de Mello, triste é você desmerecer um ser. Sou estudante de Direito sim e prefiro os animais e não gente como você. Triste é ser sua futura colega. Deus disse para amar o próximo, não citou as pessoas e eu escolho quem amar. Um dia terei minha família sim e o animal fará parte, posso ter filhos (vamos ver porque odeio criança) mas não vou amar menos o animal só por isso. Se Deus existe, que abençoe você e as pessoas que você ama. continuar lendo

Tayná, certíssima!
Penso exatamente como você, aos meus 42 anos e casada há 15. Nossos gatos são melhores que qualquer filho humano, até porque ao contrário de certos humanos não ficam tentando impôr ideias, sobretudo crenças religiosas, à vida dos outros, como comentários desnecessários aqui "deus (o deus daquela pessoa, que ele pensa ser de todos) disse amar o próximo e não os animais...", e outro que por você ainda ser jovem que futuramente verá que só o amor de um filho humano vale. É muita imposição de regras aos outros, mas nem ligue.
Sabe que não, você NÃO VAI mudar de ideia com a idade. Pode ficar tranquila. Essa ideia de maternidade compulsória é ultrapassada, ainda presente na nossa sociedade machista que nos enxerga como meras chocadeiras, acham que se uma mulher não parir outro ser humano não será feliz, esse tipo de nonsense. Estou completamente realizada pois a maternidade nunca fez parte de meus planos, e agradeço à Ciência e métodos contraceptivos que funcionaram muito bem até hoje.
Já passei por essa situação como a da notícia, uma gatinha idosa doente e tive que faltar ao trabalho para cuidar dela. Fui descontada em meu salário, e o fato da sociedade italiana, com reflexo em sua justiça, ter permitido um desfecho diferente nesse caso concreto, demonstra um alto grau de compaixão e civilização. E não ser uma "sociedade moribunda" como outro comentário preconceituoso e retrógrado acima citou.
Gostaria de imaginar que um dia aqui também chegaremos a esse grau de civilização e evolução, mas infelizmente aqui tem sido dificultado pelo fanatismo religioso - aliado à pobreza e falhas educacionais, basta ver qualquer gráfico mostrando grau de religiosidade de cada população ao bem-estar material e grau de instrução dos países.
Se uma pessoa prefere não incluir animais de estimação na família dela, azar o dela, mas não tente impôr aos demais que "aí já é demais" e que não são parte da família. Tem que ser muito amargurado, a ponto de querer estender sua amargura às outras famílias para talvez assim se sentir menos pior, para chegar ao ponto de imaginar que os outros deveriam viver sob regras que escolheu para si.
Tayná, você está na companhia de muitas outras pessoas e muita felicidade te espera. Nem ligue para essas opiniões retrógradas. Os retrógrados ladram e a caravana passa, com seus cãezinhos, gatinhos e demais bichos de estimação dentro. continuar lendo

Aqui, relatos de mulheres que se arrependeram de terem filhos humanos:
http://bust.com/living/193761-regretting-motherhood.html continuar lendo

Tayná. Que a graça de Deus seja derramada sobre vc e sua família, que Ele guie teus caminhos e Seja Luz para teus pés. continuar lendo

Edson de Mello beleza, tchau. continuar lendo

Tathiana Bagatini, pensei em responder o seu comentário cheio de "amor e empatia", no entanto, quando li que você considera seus gatos melhores que qualquer "filho humano", percebi que trata-se de uma pessoa que está muito, mas muito além de qualquer "salvação"...! E, apenas para que fique bem claro, quando uso esse termo (salvação) não o faço com nenhuma conotação religiosa.

Pessoas que não tem empatia pela própria espécie, que sentem esse desprezo indisfarçavel pela maternidade e que ousam tentar comparar o valor de crianças humanas com o de animais irracionais são, definitivamente, casos perdidos. Espero que na sua próxima passagem pela terra, você valorize um pouco mais seus irmãos de humanidade e menos seres que embora tenham importância e mereçam alguma consideração e até afeto, ainda não possuem nem consciência e nem a capacidade de sentir, de maneira genuína e verdadeira, sentimentos como amor, saudade, amizade, pesar, admiração, auto estima, encantamento...!

P.S. Enquanto terminava de escrever isso, minha filha caçula, de um ano e três meses, chegou perto de mim e disse "Papá". Depois deu um lindo sorriso e voltou correndo para perto da mãe. Há gente no mundo que se satisfaz com muito menos. Enfim...! continuar lendo

David Fontana, na alcatéia, os lobos são capazes de dar a vida pelo líder do grupo. É um instinto milenar da espécie. E sim, você nunca os verá "maquinando" formas de obter retorno ou vantagem. Aliás, você nunca os verá maquinando nada, pois eles não tem essa capacidade. Para isso eles teriam de ter razão, coisa que apenas humanos tem. Com toda certeza é bem mais facil amar e sentir empatia por um ser que o idolatra e o considera o centro da vida dele. No entanto, essa é uma relação incompleta, meio infantilizante e um pouco simplória.

Eu realmente gostaria de saber onde vocês - comentaristas desiludidos com a espécie humana - moram para estarem tão decepcionados e desconfiados de outros seres humanos. Há muita gente canalha na cidade onde moro e na que eu nasci, porém, também há muita gente decente e honesta em ambas. Eu, sinceramente, espero que você encontre mais pessoas boas onde você vive. Elas existem e não são poucas. Porém nunca espere perfeição de seres humanos. Talvez esse seja o meu segredo...! continuar lendo

Com toda certeza, irão condenar-me pela minha opinião mas eu não me importo: não sou parente de cachorro (ou de gato) e nem considero animal de estimação parte da família. Por isso eu considero a concessão de uma licença remunerada para cuidar de um "pet", um pouco demais...! Mas enfim, se foi autorizado pela justiça, está valendo!

O caso em tela também diz muito sobre a situação demografica da Italia, um país moribundo. A dona do cachorro parece não ter nenhum parente (mãe, irmão, filha) com quem deixa-lo, coisa muito comum em um país onde as famílias estão cada vez menores.

Conheço um padre que morou durante dois anos em uma província do interior da Itália. Ele me disse que em todo esse tempo ele não chegou a celebrar um único batismo em sua paroquia e estranhou muito essa situação. Parece que o pessoal de lá está preferindo cuidar de cães e gatos a ter filhos...! continuar lendo

Concordo com você, acho um absurdo mesmo.

Agora em ter filhos, o Brasil que tem que começar a fazer isso, parar de ter filhos igual coelhos e instituir um controle de natalidade, vai chegar uma hora que a máquina (nós) não aguentaremos levar outros nas nossas costas com inúmeros programas sociais sem fins, usados ainda muitos para lavagem de dinheiro. continuar lendo

Nesse ponto, eu discordo de você, caro David Fontana. Sim, deve haver um PLANEJAMENTO FAMILIAR, principalmente, para famílias hipossuficientes, que mal conseguiriam sobreviver sem uma bolsa do governo federal. Nunca, um "controle de natalidade"...! O que, a príncipio, parece ser uma coisa boa, a médio prazo começa ter efeitos sociais e econômicos danosos. É só ver o caso da Itália e do Japão, países onde a economia encolheu na última decada e que estão dando todo tipo de incentivo pecuniário para que os casais tenham mais filhos, ou melhor, para que tenham pelo menos um filho.

Há pouco mais de um ano atrás, a capa da Veja era sobre a baixíssima taxa de natalidade brasileira (1,8%) abaixo do mínimo para a reposição da população. Pode não parecer mas em menos de duas decadas começaremos a sentir os efeitos dessa mudança demografica e tudo indica que eles não serão tãos bons.

Se toda a nossa população tivesse acesso a uma educação de qualidade, teríamos profissionais mais competentes e um maior número de empreendedores, ou seja, teríamos cidadãos mais produtivos e inovadores e que não precisariam de nenhum programa social estatal para manter-se e sustentar a própria família. Isso sim, é até mais importante que o planejamento familiar.

Em tempo: minha mãe teve nove irmãos. Eu, um...! Uma redução de cinco vezes em uma única geração...! continuar lendo

B I N G O !!!!!!! continuar lendo

Bom, eu considero a minha gata da família, ela está mais presente comigo no diaadia que a minha própria namorada, ela dorme em minha cama todos os dias, me faz companhia, etc.
Tenho um cachorro na minha chácara que está com dermatite severa, serão 4 meses de tratamento, e infelizmente só posso cuidar dele aos finais de semana, pois não posso trazê-lo para minha casa por conta da minha gata e o caseiro é um bruto, não sabe cuidar do cachorro.
Seria excelente se eu pudesse me ausentar do meu trabalho às quartas-feiras, remuneradamente, pelo primeiro mês de tratamento do Pretinho, nome do meu cachorro.
A situação dele é de dar dó.
Mas não condeno sua opinião não, cada um tem a sua! Numa boa! continuar lendo

Parabéns pela publicação Dra Gisele Santos ! Os animais precisam também de cuidados e nós temos o dever de tomar esta iniciativa e fazer o Brasil crescer, amadurecer. Estamos evoluindo, mas está longe. Os animais tem sentimentos, gostam de seus donos. Quem já teve, sabe como eles são, gratos e amorosos. Já tive vários cachorros, cada qual com sua personalidade, mas todos amorosos, eles também tem direitos e precisam de proteção. continuar lendo

Quando eu li a manchete, tive q entrar para ver o artigo. Não foi no Brasil, ainda. Só falta mais essa conta para o bravo, sofredor e ferrado empresário pagar no país. Espero q essa moda não pegue aqui. continuar lendo

Qual é o empresário que paga alguma coisa no Brasil? Não paga imposto sobre lucros nem dividendos, sonega a previdência (olha o relatório da CPI da Previdência), e os tributos indiretos eles transferem para os preços, nesta economia repleta de cartéis, oligopólios ou monopólios. Diga um só setor em que não é assim. continuar lendo

Não sei quais empresários vc conhece, mas muitos deles, inclusive pequenos e médios, mas grandes também, pagam contas caríssimas por essa legislação trabalhista patética. Nem todos são farinhas do mesmo saco q vc está acostumado a conviver. Conheço muitos honestíssimos. continuar lendo

"Qual é o empresário que paga alguma coisa no Brasil?"
R: empresários fornecem boa parte da arrecadação tributária e são basicamente eles que carregam o país nas costas. Quem ama dar calotes diariamente no país é o estado. Basta olhas a quantidade de processos judiciais em que o poder público é acionado.

"Não paga imposto sobre lucros nem dividendos"
R: isso ocorre porque eles já pagam IRPJ e CSLL. Caso ainda tivessem que pagar IR sobre dividendos ocorreria bitributação.

"sonega a previdência"
R: Há mais de 5 milhões de sociedades empresárias no Brasil. Menos de 1% sonega contribuições previdenciárias.

"os tributos indiretos eles transferem para os preços"
R: óbvio! Se tivessem que suportar todo a escrachante carga tributária do país, ninguém abriria empresas pois isso significaria trabalhar de graça para o governo.

"nesta economia repleta de cartéis, oligopólios ou monopólios"
R: a principal razão de um cartel, um oligopólio ou um monopólio se manter por um grande período de tempo é se o setor respectivo receber proteção estatal por meio de monopólio legal, regras de preferência, campanhas de 'campeões nacionais' e principalmente da regulação econômica. continuar lendo